Auto-retrato com Cigarro, Edward Munch, 1895

Como Edward Munch assinalou a sua Rebelião Boémia com Cigarros (1895): Um Ensaio em Vídeo
0 (0)

11 de junho, 2022 0 Por Artes & contextos
  • 2Minutos de leitura
  • 457Palavras

Edward Munch

 

Quando pensamos em Edward Munch, pensamos em O Grito. Embora não explicitamente um auto-retrato, essa icónica tela de 1893 parece, para qualquer pessoa que tenha lido alguma coisa sobre a vida do pintor, uma expressão plausível do seu estado perturbado.

Mas Auto-retrato com Cigarro feito dois anos mais tarde, embora menos chocante, é tão revelador da psicologia pessoal e do lado sombrio da sua identidade como O Grito“.

 

 

Pelo menos, assim argumenta Evan Puschak, mais conhecido como o Nerdwriter, no seu ensaio em vídeo Edvard Munch: O Que Significa Um Cigarro. Através do fumo de eleição do artista, ao que parece, podemos abordar e compreender o tempo diferente em que ele viveu.

“No final do século XIX”, explica Puschak, “o cigarro já existia no centro de muitas das mais variadas forças culturais”.

De facto, a sua imagem associada às classes sociais inferiores ainda não tinha sido ultrapassada, quando comparada com o charuto e o cachimbo. Mas, tal como com tanta coisa que acabou por se generalizar, o cigarro foi primeiro amplamente adotado pelos boémios.

Entre eles Munch e os seus contemporâneos “encontraram a alternativa ao sufocante sistema de valores da classe média. Trocaram as salas de desenho por cafés ao fim da noite, jantares em clubes noturnos, e charutos por cigarros”.
Puschak apresenta um quadro do mentor de Munch, Christian Krohg, mostrando um Munch de 21 anos “com os amigos no seu atelier acendendo um”.

Mesmo quando o frequentava, o próprio Munch também retratou este mundo flutuante na sua arte.

Numa das suas gravuras, “serpentes de fumo enchem a atmosfera de um café, onde intelectuais boémios de ambos os sexos bebem e debatem arte e ideias”. Para os reformadores sociais da Noruega do final do século XIX, tais cenas eram anátema, e “o cigarro era sintomático da degeneração da sociedade”.

Estas figuras consideravam pouco mais a arte de Munch, quer a obra em questão fosse uma imagem relativamente naturalista como Auto-retrato com Cigarro ou uma violentamente expressionista como O Grito.

 

Edward Munch

Auto-retrato com Cigarro, Edward Munch, 1895

Como Edward Munch assinalou a sua Rebelião Boémia com Cigarros (1895): Um Ensaio em Vídeo TESTES A&c ZIucgj1Gl78

Considerados hoje como exemplos de cultura elevada e refinada, as suas pinturas perderam de certa forma a sua dimensão; mas o mesmo aconteceu com o cigarro, um símbolo outrora libertador da revolução social e artística, agora reduzido a um risco esquálido para a saúde pública.


O artigo original foi publicado em @Open Culture
The original article appeared first @Open Culture


Talvez seja do seu interesse: Claude Monet, O Homem Impressionista E Um Artista Da Natureza


 

Como classificas este artigo?

Assinados por Artes & contextos, são artigos originais de outras publicações e autores, devidamente identificadas e (se existente) link para o artigo original.

Jaime Roriz Advogados Artes & contextos